Pra não dizer que não falei das flores

Já imaginou estar à frente de um cargo público tentando defender pautas sociais importantes e ser perseguido, ameaçado e constantemente colocado em situações vexatórias para tentar diminuir a importância de suas lutas?.. E se esse cara tiver uma lista de prêmios recebidos?.. Em 2013, Medalha de Honra ao Mérito Pedro Ernesto, na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, e o Troféu Nelson Mandela, pela atuação em defesa da igualdade; integrante da lista de 50 personalidades destaque na defesa da diversidade da revista The Economist em 2015 e, no mesmo ano, escolhido o melhor deputado federal, pelo Congresso em Foco.

Nordestino, nascido no interior da Bahia, o professor e jornalista de 44 anos Jean Wyllys (PSOL-RJ) assumiria em fevereiro o seu terceiro mandato na Câmara Federal, onde vem lutando, desde 2010, por políticas públicas mais justas para LGBTs, negros e mulheres, mas, há poucos dias, anunciou que, temendo por sua vida e de seus familiares, está decidido a deixar o Brasil. Para nos ajudar a refletir sobre o assunto, conversei com a co-deputada Kátia Cunha, assumidamente lésbica, eleita para a Assembleia Legislativa de Pernambuco na candidatura conjunta Juntas (PSOL-PE), junto a outras quatro mulheres. E ainda com o artista da cena da diversidade Filipe Catto, que também já pensou em sair do país por não se sentir seguro. Confere o vídeo 😉